GARANTIA DE QUALIDADE

A nossa empresa opera segundo um rigoroso conjunto de critérios, para fornecer os mais altos padrões de qualidade, serviço ao cliente, conforto e segurança. Oferecemos garantias adicionais aos passageiros que transportamos. Estas exigências de qualidade são controladas frequentemente. Estamos na vanguarda na aplicação das melhores práticas, pelo que garantimos o seguinte compromisso.

CONDIÇÕES GERAIS DE ALUGER

Decreto-Lei n.º 9/2015, 15 de Janeiro

DIREITOS E OBRIGAÇÕES DO OPERADOR, PESSOAL E PASSAGEIROS
Serviços de transporte regular especializado e ocasionais

Art. 5.º Obrigações do operador
1 – ()*
2 – São obrigações do operador, designadamente:
a) ()*
b) ()*
c) Publicitar os direitos e obrigações estabelecidos pelo presente decreto-lei e nas condições gerais de transporte, quando aplicável;
d) (…)*
e) ()*
f) Prestar o serviço objeto do contrato de transporte com segurança e qualidade, nos termos da legislação aplicável;
g) ()*
h) Disponibilizar o livro de reclamações, nos termos da lei e do Regulamento.
3 – São deveres do pessoal que presta serviço nos serviços de transportes:
a) Estar devidamente identificado com um cartão emitido pela empresa;
b) Proceder com urbanidade para com os passageiros e os agentes da fiscalização, prestando os esclarecimentos que lhe sejam pedidos;
c) Prestar aos passageiros todo o auxílio de que careçam, tendo especial atenção com as crianças, as pessoas com mobilidade condicionada e os idosos;
d) Velar pela segurança e comodidade dos passageiros;
e) Verificar, antes de abandonar o veículo em que presta serviço, se no mesmo se encontram quaisquer objetos que nele tenham sido esquecidos pelos passageiros.
4 – ()*
5 – ()*

Art. 7.º Deveres e obrigações dos passageiros
1 – ()*
2 – É proibido aos passageiros:
a) ()*
b) ()*
c) ()*
d) Projetar para o exterior do veículo quaisquer objetos;
e) Colocar nos locais para tal reservados volumes que, pelo seu conteúdo, natureza ou forma, possam cair ou perturbar os outros passageiros em caso de choque, paragem brusca ou outras causas;
f) Colocar volumes pesados ou sujos sobre os bancos ou apoiar os pés diretamente sobre os estofos;
g) Dedicar-se a qualquer atividade ou oferecer serviços sem prévia autorização do operador;
h) ()*
i) Transportar animais de companhia ou de assistência em violação das condições estabelecidas na lei;
j) Pendurar-se em qualquer dos acessórios do veículo durante a marcha;
k) Afixar cartazes, panfletos ou outras publicações sem autorização do operador;
l) Transportar armas, salvo se estiverem devidamente acondicionadas nos termos da legislação aplicável, ou tratando-se de agentes de autoridade;
m) Transportar matérias explosivas, incluindo material pirotécnico, substâncias facilmente inflamáveis, corrosivas ou radioativas;
n) Transportar volumes que pela sua natureza, forma, dimensão ou cheiro possam causar incómodo aos outros passageiros ou danificar o material circulante;
o) Utilizar aparelhos sonoros ou fazer barulho de forma a incomodar os outros passageiros;
p) Praticar atos ou proferir expressões que perturbem a boa ordem dos serviços ou incomodem os outros passageiros;
q) Entrar nos veículos quando a lotação estiver esgotada.
3 – Os passageiros devem respeitar as instruções dadas pelos agentes de fiscalização, no âmbito do exercício das suas funções.
4 – Nos casos em que o incumprimento pelos passageiros dos deveres que lhes incumbem perturbe os outros passageiros, cause danos ou interfira com a boa ordem do serviço de transporte, os agentes do operador encarregues da fiscalização ou o motorista podem determinar a sua saída do veículo e, em caso de incumprimento dessa determinação, recorrer à força de segurança pública competente.
5 – Os passageiros cuja saída seja determinada nos termos do número anterior não têm direito a qualquer reembolso.
6 – ()*

* Não aplicável aos serviços de transporte regular especializado e ocasionais (artigo 31.º: “O disposto no presente decreto-lei aplica-se, com as devidas adaptações, aos serviços de transporte regular especializado e ocasionais, sem prejuízo do disposto nos termos contratuais e da demais legislação aplicável”). Nota: a presente publicitação não dispensa a leitura do Decreto-Lei n.º 9/2015, de 15 de janeiro.

USO E PRIVACIDADE

Este portal é propriedade da Iberobus, com sede no Largo da Quinta Nova – Vermoim  4470-357 Maia, Portugal.
Os conteúdos (entende-se por conteúdo qualquer texto, imagem, vídeo e som) podem ser objecto de direitos exclusivos, de propriedade industrial ou intelectual, pertencentes à Iberobus.
É expressamente proibido copiar, reproduzir, modificar, exibir, transmitir ou divulgar, por qualquer forma ou para qualquer fim, os conteúdos do portal, sem autorização por escrito da Iberobus. As questões relativas à propriedade intelectual são reguladas de acordo com o Código do Direito do Autor e Direitos Conexos, DL 63/85 de 14/03, na sua versão actual e pelas alterações introduzida pela Lei 16/2008, de 01/04. No entanto, por princípio, é permitido ao utilizador do portal copiar, distribuir, transmitir ou adaptar parte ou a totalidade dos conteúdos do portal da Iberobus, DESDE QUE ESTES NÃO SE DESTINEM A FINS COMERCIAIS obrigando-se o utilizador do portal aos termos constantes da licença jurídica Creative Commons BY-NC-SA 3.0 Portugal  (Atribuição – Uso Não-Comercial – Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Portugal) e se alterar, transformar, ou adaptar os conteúdos, ou se a utilizar noutras obras, só pode distribuir a obra resultante licenciando-a com a mesma licença ou com uma licença semelhante a esta.

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS DE CONSUMO

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR

Em caso de litígio de consumo, o consumidor pode recorrer à seguinte entidade de resolução alternativa de litígios de consumo:

Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto
Tel: +351 225 508 349 | +351 225 029 791
Email: cicap@mail.telepac.pt
www.cicap.pt

Para atualizações e mais informações, consulte o Portal do Consumidor
www.consumidor.pt
(ao abrigo do artigo 18.º da Lei nº 144/2015, de 8 de setembro)